Leia mais: http://www.dedodeouro.net/2007/12/colocar-o-titulo-do-post-antes-do-nome-do-blog.html#ixzz1YteLcrA5

Páginas

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

domingo, 26 de junho de 2005

Incoerência entre formação e prática


Penso muito nessa questão. Evidências apontadas por alguns trabalhos de pesquisa e pelo cotidiano de algumas escolas mostram que a estrutura pedagógica e administrativa tem importante papel nessa situação.

A ausência de espaço e tempo de estudo e planejamento das atividades, bem como de orientação formativa por parte das coordenações pedagógicas nas unidades de ensino, contribui enormemente para essa dissociação entre formação e prática.

Entre a produção de conhecimentos sobre os processos de desenvolvimento e aprendizagem infantis e a prática na sala de aula há o espaço muito mal preenchido da produção do conhecimento, digamos, pedagógico.

Ou seja, sabe-se a teoria, tem-se o conhecimento teórico, mas para usá-lo no cotidiano da sala de aula é preciso que outro conhecimento seja produzido, construído.

Penso que presenciei um exemplo disso outro dia. Uma coordenadora contava e mostrava a seguinte atividade: uma lista de palavras numa coluna e, na outra, as crianças marcavam quantas vezes abriam a boca para pronunciar cada palavra.

2 comentários:

Karla Harriz disse...

Penso que conhecimento é algo que se adquire através de experiências vivenciadas ao longo do cotidiano, neste caso, o educador é aquele que adquire através de práticas didáticas e metodológicas a experiência necessária para a transmissão de seu saber ao educando. O envolvimento com pesquisas também é de suma importância para a qualidade de aperfeiçoamento do seu saber, principalmente porque um bom educador é aquele que está sempre pesquisando e se reciclando no campo do conhecimento.
Como professora de educação superior, percebo que poucos são aqueles colegas que realmente sentem o que estão ensinando em sala de aula - na maioria das vezes são vítimas de teorias mecanicistas que acabam por massacrar sua prática pedagógica - pois ensinar sem respaldo vivencial e opinião própria, é o mesmo que transmitir conhecimento de forma superficial e inconsistente. Assim, não há aluno que aprenda.

Anônimo disse...

Inês,
Que bom "reencontrá-la". Estou orientando um projeto de Iniciação científica em que estamos refletindo sobre isso. Estamos estruturando o "como fazer?" numa prática reflexiva. Está muito interessante. Em outra oportunidade, falo mais detalhes.

Beth